Seguidores

sexta-feira, 27 de maio de 2016

O "Túnel do Tempo"

O "Túnel do Tempo"

Ariovaldo Ramos

Quando jovem assisti a uma série de TV chamada "O Túnel do Tempo". A saga de dois cientistas historiadores que voltavam no tempo, mas, sem conseguir estabelecer para onde iriam, a cada movimento.

Era uma aula dinâmica de história, ora sobre movimentos significativos, ora sobre os piores feitos humanos.

Recentemente, graças a atuação de membros da chamada "bancada evangélica", em apoio à certa proposta, me vi assistindo, de novo, a série "O Túnel do Tempo", embora ela já esteja fora do ar, há muito tempo, pelo menos, na TV aberta. E, nesse episódio, o momento revivido está entre os mais injustos da história: o macartismo,
"Macartismo (em inglês McCarthyism) é um termo que se refere à prática de acusar alguém de subversão ou de traição sem respeito pelas evidências. O termo tem suas origens no período da História dos Estados Unidos conhecido como segunda ameaça vermelha, que durou de 1950 a 1957 e foi caracterizado por uma acentuada repressão política aos comunistas, assim como por uma campanha de medo à influência deles nas instituições estadunidenses e à espionagem por agentes da União Soviética. Originalmente cunhado para descrever a patrulha anticomunista promovida pelo Senador republicano Joseph McCarthy, do Wisconsin." 

Senão vejamos, da coluna de Esmael Morais (em site homônimo):

"Os cantores e compositores Chico Buarque e Claudia Leitte serão alvo de investigação de uma comissão parlamentar de inquérito na Câmara. A ameaça é do deputado Alberto Fraga (DEM-DF), que anunciou a criação da CPI nesta terça (24) durante sessão conjunta com o Senado.

O “macarthismo” da base de sustentação do governo interino ocorre em virtude de os artistas serem contra o golpe de Estado, ou seja, querem que Michel Temer (PMDB) saia já do Palácio do Planalto.

Segundo o parlamentar golpista, Claudia Leitte teria utilizado recursos da Lei Rouanet e, mesmo assim, não teria vergonha de cobrar R$ 400 de ingresso no show.

“Essa mamata vai acabar. Por isso esses artistas assinaram manifesto contra Temer”, discursou Fraga.

Já o senador Magno Malta (PR-ES), da tribuna, afirmou que os artistas são acostumados com o “Mamatório da Cultura” alinhada política e doutrinariamente com o governo deposto [da presidente eleita Dilma Rousseff].

A proposta de ‘CPI dos Artistas’ também foi apoiada pelo deputado Pastor Marcos Feliciano (PSC-PR), que declinou o nome do cantor Luan Santana no rol dos futuros investigados pela comissão."

Como se pode perceber, é mais um fruto da união entre as bancadas "da bala e da bíblia" como tem sido chamada a junção da bancada pró armas de fogo e a bancada evangélica. São 3 "bês", ainda falta uma bancada.

Essa operação poderá se utilizar, como título, de uma denúncia bíblica: "Operação coa mosquito e engole camelo". Imagine que revelações virão daí! Farão enrubescer outras tais como: "Lava Jato"; "Satiagraha"; "Zelotes"; "Juno"; "Catilinárias" e Alethéia"; entre outras... Inclusive uma que ainda será instalada:  a operação "Até tu Brutus?" - Se quiser ser bíblica pode ser "Iscariotes".

A nota relevante aqui é o fato de se saber que um dos apoiadores gosta de música breganeja, e protege aos que gosta.

Outra nota de igual relevância, é a que a bancada evangélica, chamada de "da bíblia" parece ter um quê de Retrô, vive a evocar o passado: rasgo da constituição federal; golpe de estado; chamar golpista confesso de amigo; criminação de menores; retrocesso nos direitos civis; macartismo...

No golpe que antecedeu a este foi bastante semelhante, só que o macartismo foi mais para dentro da casa, com direito a tortura e tudo... Essa bancada, por enquanto, não tem promovido essa barbárie, só recebe como membro quem homenageia a torturador que dela participou... Claro! Mediante batismo!

Enfim… Quanta saudade? Infelizmente, eu não tenho TV paga para o poder afirmar com precisão, mas, em alguma TV paga deve, ainda, estar passando o seriado "O Túnel do Tempo"… Está saudoso? Vá assistir esse canal de TV! Ah! Desculpe-me, tem, também, uns bons canais sobre História.

Alguém dirá, mas, você, também, não é da bíblia? Sou! Mas, a minha Bíblia é com B maiúsculo, e não só não ensina, como condena essas "tenebrosas transações"!



quarta-feira, 25 de maio de 2016

Barbárie



Ariovaldo Ramos

Há alguns dias, segundo noticiado, em São Paulo, policiais foram participar de uma reintegração de posse, numa das escolas ocupadas pelos estudantes, por causa do roubo, por parte do estado, da merenda escolar; quando solicitado a mostrar o mandato de reintegração de posse, o policial, não apenas disse que não o tinha, como declarou que a partir de agora não precisava mais.

O "a partir de agora" dele, referia ao fato de que havia passado na Câmara dos Deputados Federais, em Brasília, o pedido de impeachment da presidente da República, parece que o policial, ainda que intuitivamente, talvez, por causa do seu trato constante com a lei, se deu conta de que tudo estava acontecendo ao arrepio da lei e, portanto, a lei não valia mais.

 Há poucos dias, na Bahia, na capital, segundo notícia, um jovem negro, menor de idade, foi indevidamente, detido por policiais que, ao invés de levá-lo para a delegacia, seja porque pretexto fosse, levaram-no a um lugar retirado e o torturaram. Depois da tortura, o soltaram, porém, o jovem não resistiu aos maus tratos e acabou morrendo, claro, por falta de socorro imediato, uma vez que sua versão não recebeu crédito junto aos que deviam tratá-lo, até que fosse tarde demais. Parece que, a exemplo dos colegas de São Paulo, os policiais da Bahia, também, agiram como se a lei não valesse mais.

 E, mais recentemente, uma jovem foi estuprada por cerca de 30 homens, no Rio de Janeiro; tudo isso foi devidamente publicizado via Twitter, com direito a foto e comentário. Estes hediondos bandidos agiram sob a mesma lógica: a lei não vale mais.

 O nome disso é Barbárie, estado de caos que se instala a partir de, no imaginário popular, ficar estabelecido que a lei, de alguma maneira, foi revogada, isto é, não existe mais estado de direito, e, independente de que qualquer possível repressão pela força do estado, isso significa, portanto, que todos os desejos estão liberados, às custas da capacidade da imposição de um indivíduo sobre o outro, de modo que se estabelece a Lei do Talião e o confronto direto entre todos. 

 Não é de hoje que no Brasil há uma sensação de impunidade, isto é, que algumas pessoas jamais serão punidas pelos seus crimes, por causa da posição que ocupam, ou dos "padrinhos" que têm. Tudo parecia mudar quando o governo, agora sob Judíce, deflagrou processo investigatório, a partir da Polícia Federal, que começou a incriminar e a prender os, antes, inalcançáveis.

 A mídia, porém, convenceu a população de que o governo que deflagrava a investigação era, de fato, o grande culpado pela corrupção que investigava. Um grupo considerável de brasileiros, portanto, começou a exigir a deposição deste governo, sob cuja administração os processos investigatórios foram levados a efeito. 

Graças à sua pressão um processo de impeachment foi instalado, com consequente afastamento da presidente da República, embora, o motivo alegado para deflagrar o processo de impeachment não encontrasse respaldo legal. O país foi dividido, enquanto um grupo festejava a instalação do processo de impeachment, outro grupo protestava afirmando estarmos sofrendo um golpe, isto é, um desmoronamento da democracia brasileira.

 Durante todo o processo de clamor popular, pró e contra o impedimento da presidente, muitas vozes ecoaram, inclusive de juristas togados, denunciando o descumprimento da Constituição Federal, mas, o processo passou na Câmara dos Deputados Federais. Entretanto, a forma como passou foi tida, graças aos pronunciamentos dados pelos representantes do povo, como um circo de horrores, pela demonstração de descaso para com mérito da questão e para com o cumprimento da Constituição.

 O acolhimento do processo pelo Senado Federal, não foi menos decepcionante, a começar pela relatoria, que foi denunciada pelos juristas que o relator citou como apoio à sua tese, uma vez, que tais juristas, não só declararam não ter dito o que foi mencionado no contexto em que o foi, como declararam discordar com a conclusão do relator.

 Com toda essa movimentação por parte dos legisladores, a população, frente ao silêncio dos juízes, foi tomada pela perplexidade, isto é, mesmo os que apoiavam o impeachment foram assaltados pela dúvida de que algo não fora bem. A presidente da República foi temporariamente afastada, um governo temporário se estabeleceu, que, pelas regras constitucionais, deveria apenas manter a continuidade do governo em pauta, mas, que começou a agir como se tivesse um novo mandato.

 O presidente temporário, contra a lei, montou um novo ministério, e propôs um novo programa de governo e, pasmem, na composição de seu ministério contou  e conta com a participação de vários dos acusados de corrupção, pela investigação proposta pelo governo que, agora, temporariamente, substitui.

 Esse quadro, por si, denunciava que a lei não valia mais; não bastasse isso, um dos ministros mais fortes do governo temporário foi delatado, por meio do vazamento de uma conversa sua com outro acusado na operação investigatória, onde ele admitia ter sido um dos proponentes de um golpe de estado para impedir o avanço das investigações que o povo, que pediu o impeachment, tanto queria ver triunfar.

 Além de se apresentar como um dos proponentes, denunciou que contava com apoio de juízes e de militares para a execução desse golpe de estado. Depois do vazamento, o ministro, em questão, foi exonerado sob certa relutância, porém, sequer foi interpelado, e mais, nem os militares, nem os juízes disseram qualquer coisa. O ministro voltou ao Senado, como se nada tivesse dito, nada tivesse proposto, e nada tivesse acontecido.

 Outras situações vieram a agravar esse quadro, um religioso de renome veio a público para defender o ministro que se admitiu golpista, e, embora, aos juízes fosse, oficialmente, pedida investigação e consequente indiciamento de um dos delatados pelo ministro, que, quando candidato a presidente da República, chegou a ser acusado de narcotraficante, o juiz designado, simplesmente, disse não haver necessidade de investigação.

Muitas outras anomalias poderiam ser aqui apontadas: comportamento e declaração de juízes, com abuso de poder; a sensação de que no país só existe um juiz, que apoia incondicionalmente, um juiz de 1ª instância, que um dia acusou de descumpridor da lei; manipulação de informação por parte dos que receberam, do Estado, concessão com o precípuo dever de informar, como parte do modo de viver democrático; cooptação de religiosos, sob aparente promessa de lhes permitir impor sua moral a habitantes de um estado que garante o culto a todas as manifestações de fé, conquanto que não tentem a hegemonia institucional.

 Assim, em relação à corrupção no país, os denunciados estão no poder; todos os direitos adquiridos estão sendo questionados, inclusive, já declarados relativos por alguém que deveria zelar pela Justiça; e da Carta Magna se fez tábula rasa. Parece, então, surgir, no chamado inconsciente coletivo, uma constatação, o estado de direito não vale mais no país, isto é, estamos num país sem lei, reina, portanto, já, de alguma forma, o ímpeto à barbárie. 

Gente de todo o mundo denuncia que no país há, em curso, um golpe de estado; que uma das maiores nações do planeta está a ser transformada em mera republiqueta. A esperança, que insiste em não morrer, é a de que haja um resto de decência no Senado, e essa vergonha nacional e internacional, com suas fatídicas consequências externas e internas, seja interrompida, e voltemos à normalidade democrática e ao império da lei.

segunda-feira, 23 de maio de 2016

ARREPENDIMENTO, PERDÃO, RECONCILIAÇÃO E ORAÇÃO... O MANIFESTO



Diante dos novos fatos sobre o atentado à Democracia, em curso no Brasil, por meio do vazamento da fala de um dos articuladores, que a imprensa, de modo geral, tem noticiado, nós da FRENTE DE EVANGÉLICOS PELO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO, lamentamos que,  dessa farsa, muitos evangélicos tenham participado.

Entretanto, estamos certos de que a maioria dos evangélicos que, por manifestações, acabou por apoiar esse conluio contra o ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO, o fez desavisadamente, crendo estar colaborando com o fim da corrupção, quando, na verdade, estava, pelo contrário, sendo iludida pelo mais corrupto dos intentos.

A fé evangélica, contudo, como ensina as SAGRADAS ESCRITURAS, prima pela lógica do arrependimento, do perdão, e da reconciliação. Esta é a hora de nos arrependermos de todas as mútuas agressões, pedirmos e recebermos perdão, e caminharmos para a reconciliação.

É, outrossim, a hora de sustentarmos o princípio da legalidade, pela MANUTENÇÃO DO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO, pelo fim desse processo que nos envergonha nacional e internacionalmente, pela retomada da normalidade democrática, pelo respeito ao voto, e de voltarmos, juntos, a orar pela nação, para que a corrupção seja estancada, as instituições voltem a cumprir o seu papel institucional, e, para, como disse o profeta e o apóstolo, haja a paz que produz a justiça. (Jr 29.7; Tg 3.18)

Convidamos a todos os evangélicos que, em todos os lugares, ergam as mãos santificas pelo arrependimento e pelo perdão (1Tm 2.8), e orem ao Pai Nosso, em nome do Senhor Jesus, para que esta nação retome a sua vocação de luta contra a miséria, e de exemplo de solidariedade entre os povos.


Se você quiser fazer parte da FRENTE DE EVANGÉLICOS PELO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO, siga o link: https://docs.google.com/forms/d/1aoif2Mj1Jr1kzA54X9aYmjPgi_h2l_JkwsI99sEaZxs/edit?usp=drive_web
https://docs.google.com/forms/d/1aoif2Mj1Jr1kzA54X9aYmjPgi_h2l_JkwsI99sEaZxs/edit?usp=drive_web

Por favor, curta, no facebook a página FRENTE DE EVANGÉLICOS PELO ESTADO DE DIREITO

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Biz...Arrô Contundente

O ministro suspendeu o deputado antes que este caísse na Rede. Mas, isso não quebra a rede do golpe que quer transformar a República em republiqueta. Se caísse na Rede, talvez, desse para salvar a República. O que será que deu no ministro?


Estudantes, sem merenda, que ocuparam a casa do povo do Estado de São Paulo, saíram, senão, cada um teria de pagar R$ 30.000,00 para o Estado que roubou a comida deles. O juiz disse!


O juiz que suspendeu o deputado disse que demorou para cumprir a lei, porque estava esperando que os vizinhos a cumprissem, os vizinhos não só não cumpriram como tiveram tempo para incendiar a freguesia toda. Como é triste quando falta juízo!


Um muçulmano é o novo prefeito da capital do império Anglicano. Foi legítimo! Não adianta reclamar com o Bispo!


Com a decisão do Ministro sobre o Deputado, o Senador-Chefe, poderá ser o novo Vice-Presidente da Repúbliqueta Ficha-Suja. Mas, antes, terá de comandar a decisão sobre o golpe. Se houver golpe vira vice, isto é, se vencer a briga com o novo presidente da casa do deputado afastado, que, embora interino, quer o cargo por inteiro - nobres juízes decidirão.




quinta-feira, 5 de maio de 2016

Biz…Arrô Reticente

Pregador evangélico, a favor do impedimento dela, finalmente admite a possibilidade de um golpe… só que ele acha que é contra o ex-presidente da câmara federal. Ah! Ele mencionou que pode ser um golpe em Teori_a que virou o pleno.


O ex-presidente da câmara federal caiu acusado de manipular colegas para interesses escusos… Então, tudo que ele provocou vai ser anulado? Ou vai ser impedida… a anulação?


Jornal, metido a grande, uma folha em São Paulo, publicou errata, onde admite não saber se inseto que rodeava mandatária da nação era uma mosca… deve ter sido o aécio-egipt (maldito corretor).



domingo, 20 de março de 2016

Editoria FSP 18/03/2016


Protagonismo Perigoso

Em momentos de crispação nas ruas como estes que o Brasil conhece, nada mais importante que dispor de instituições sólidas e equilibradas, capazes de moderar o natural ímpeto das manifestações e oferecer respostas seguras dentro de um quadro de legalidade.

Preocupam, por isso, os sinais de excesso que nos últimos dias partem do Judiciário, precisamente o Poder do qual se esperam as atitudes mais serenas e ponderadas.

Não se trata de relativizar o peso das notícias acerca da Operação Lava Jato, ou de minimizar o efeito político e jurídico das gravações telefônicas divulgadas nesta semana.

O imperioso combate à corrupção, entretanto, não pode avançar à revelia das garantias individuais e das leis em vigor no país. Tal lembrança deveria ser desnecessária num Estado democrático de Direito, mas ela se torna relevante diante de recentes atitudes do juiz federal Sergio Moro, em geral cioso de seus deveres e limites.

Talvez contaminado pela popularidade adquirida entre os que protestam contra o governo da presidente Dilma Rousseff (PT), Moro despiu-se da toga e fez o povo brasileiro saber que se sentia "tocado pelo apoio às investigações".

Ocorre que as investigações não são conduzidas pelo magistrado. A este compete julgar os fatos que lhe forem apresentados, manifestando-se nos autos com a imparcialidade que o cargo exige.

Demonstrando temerária incursão pelo cálculo político, resolveu assumir de vez o protagonismo na crise ao levantar o sigilo de conversas telefônicas de Lula (PT) bem no momento em que o ex-presidente se preparava para assumir a Casa Civil.

Por repulsiva que seja a estratégia petista de esconder o ex-presidente na Esplanada, não cabe a um magistrado ignorar ritos legais a fim de interromper o que sem dúvida representa um mal maior. Pois foi o que fez Moro ao franquear a todos o acesso às interceptações e transcrições que, como regra, devem ser preservadas sob sigilo.

Ao justificar a decisão, Moro argumenta de maneira contraditória. Sustenta que o caso, por envolver autoridades com foro privilegiado, deve ser remetido ao Supremo Tribunal Federal, mas tira da corte a possibilidade de deliberar sobre o sigilo das interceptações.

Pior, a lei que regula o tema é clara: "A gravação que não interessar à prova será inutilizada". Quem ouviu as conversas de Lula pôde perceber que muitas delas eram absolutamente irrelevantes para qualquer acusação criminal. Por que, então, foram divulgadas?

Ademais, a conversa entre Lula e Dilma ocorreu depois que o próprio Moro havia mandado ser interrompida a escuta. Acerca disso o juiz a princípio não se pronuncia.

É sem dúvida importante que a população saiba o que se passa nas sombras do poder. Daí não decorre, obviamente, que os juízes possam dar de ombros para as leis. Mais do que nunca, o exemplo deve partir do Poder Judiciário –sua eventual desmoralização é o pior que pode acontecer.


segunda-feira, 31 de março de 2014

Oração



Pai nosso, te somos gratos, porque na nossa fraqueza contamos com a tua força. Que bom seria se pudesses contar com a nossa fidelidade, como contamos com o teu socorro. Socorre-nos sempre Pai Eterno, a começar por nossa carência de fidelidade. Pelos méritos de Jesus, o Senhor, clamamos. Amém! #vósorareis